Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Baixe gratuitamente este estudo na versão PDF version, otimizada para seu leitor ebook/ tablet/ desktop ou smartphone Edição em PDF

Sobre falsos mestres

Perdoe-me por continuar neste aparte, mas talvez aqui esteja uma boa oportunidade para dar mais informações sobre falsos mestres. Pedro falou sobre eles em Pedro 2:

2 Pedro 2:1-3
“No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda.”

Muitos seguirão os caminhos vergonhosos desses homens”: falsos mestres tem aparentemente muitos seguidores. Eles são populares. Isto é contrastante com a porta estreita que conduz a vida. Não são muitos que a encontram, mas poucos. A maioria segue pela porta larga.

Mateus 7:13-14
“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz a perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz a vida, e poucos são os que a encontram.”

Então o fato de ser um pregador popular não significa necessariamente que esta pessoa também é um verdadeiro mestre. Pode ser que ele seja um falso mestre, e de fato, sua popularidade é só por causa disso: porque ele fornece às pessoas a opção de seguir pela porta larga, por um caminho mais fácil. Muitos gostam desta opção e portanto seguem estes falsos mestres.

Além disso, como Pedro nos diz: “e por causa deles será difamado o caminho da verdade.” Há apenas um caminho para a verdade e “apertado o caminho que conduz à vida.” É o caminho através da porta estreita. Desta forma, o cristianismo verdadeiro e genuíno, será blasfemado. Será talvez estigmatizado como “religião”, “legalismo”, etc., como o oposto à “liberdade” e à “graça” (mas, barato, graça falsificada, não a graça da Palavra) prometida por esses falsos mestres. Por outro lado, vendo o mundo tais impostores e pensando que eles são o que fingem ser (“Cristãos”), chegarão a conclusões equivocadas sobre o Cristianismo como um todo, levando mais uma vez o caminho da verdade a ser blasfemado. E Pedro continua:

2 Pedro 2:18-19
“Porque, falando palavras arrogantes de vaidade, nas concupiscências da carne engodam com dissoluções aqueles que mal estão escapando aos que vivem no erro; prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção; porque de quem um homem é vencido, do mesmo é feito escravo.”

“Liberdade” é a principal promessa que eles vendem, mas suas promessas são só mentiras, porque eles mesmos são escravos da corrupção. Mas por qual razão eles fazem isto? Novamente Pedro nos dá a resposta:

2 Pedro 2:3
“também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio;

O verbo grego traduzido como “farão de vós negócio” é o verbo “emporeuomai” que significa “para negociar, comprar e vender, fazer mercadoria” (Dicionário Strong). Em outras palavras, uma característica de um falso mestre é que ele é ganancioso, e em sua ganância faz do povo de Deus mercadoria. Não sei quanto a você, mas para mim isso diz muito! Você vê “pregadores” acumulando enorme patrimônio (incluindo, mas não restrito a casas de luxo, super jatos, carros de luxo, altos salários, etc.) tudo isto através de suas “pregações”? Eu diria : fuja! Você não precisa ouvir mais nada. Este é o fruto de um falso mestre ganancioso que tem usado o povo de Deus como mercadoria (extorquindo “ofertas” deles1. Vendendo falsos livros, muitos deles escritos por “escritores fantasmas”, conferências e “aconselhamentos” cobrando altas comissões para isto. “Pelo fruto os conhecereis”, disse o Senhor, e a ganância é um fruto incontestável e definitivo de um falso mestre, que alguém pode ignorar apenas por sua conta e risco.

O ganancioso e falso mestre que “transforma a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor” (Judas 1:4 – NVI – Nova Versão Internacional) não é o único tipo de falso mestre. Há um outro, no outro extremo, e este é o tipo que havia assolado as igrejas na Galácia, e que era ativo em outras igrejas. Seus ensinamentos? Que um cristão deve manter a lei de Moisés (ver livro de Gálatas), abster-se de certos alimentos (Hebreus 13:9) que eles não deviam se casar (1 Timóteo 4: 1-4), que eles deviam “guardar dias, meses e tempos e anos” (Gálatas 04:10), que cultuassem a anjos (Colossenses 02:18), ao invés de adorar somente a Deus através do Senhor Jesus Cristo, que eles deveriam procurar por outros mediadores ao invés de “um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus” (1 Timóteo 2:5) etc. Estes que pregavam tais coisas, eram falsos mestres também, fazendo a mesma coisa que aqueles primeiros já citados: levando pessoas a se desviarem da verdadeira Palavra de Deus, desta vez através de uma “humildade” falsa, “firmando-se em coisas que não tinham visto, inchado de maneira vã pelo seu entendimento carnal” (Colossenses 2:18).

Portanto, falsos mestres aparecem então basicamente como: um extremo é a doutrina da perversão da graça de Deus e uma distorção para convertê-la a uma licença para a prática da imoralidade, da libertinagem. O outro extremo é o legalismo, utilizando uma falsa humildade para justificar a necessidade de seguir práticas que nunca foram pretendidas por Deus, nunca foram a intenção de Deus para nós. Devemos estar atentos a ambos os extremos.

Para encerrar esta seção, eu gostaria de acrescentar o seguinte esclarecimento: apesar de um falso mestre ser capaz de bagunçar a Palavra de Deus, utilizando-a de maneira errônea com propósitos egoístas, isso não significa que um Cristão que cometa um erro no ensino da Palavra de Deus seja, por definição, um falso mestre. Como diz Tiago:

Tiago 3:1-2ª
“Meus irmãos, não sejais muitos de vós mestres, sabendo que receberemos um juízo mais severo. Pois todos tropeçamos em muitas coisas.”

“Pois todos tropeçamos em muitas coisas” nos diz Tiago, referindo-se aos mestres e muito gentilmente incluindo também a si mesmo. Cometer um erro no ensino da palavra de Deus não faz necessariamente de ninguém um falso mestre. Caso contrário, todos poderíamos ser falsos mestres, pois, conforme Tiago, nós todos tropeçamos em muitas coisas. A verdade é que todos nós aprendemos e conforme prosseguimos em aprender mais, talvez tenhamos que voltar e ensinar com mais precisão o que havíamos ensinado no passado. Eu sou grato a Deus porque Ele não espera que todos nós alcancemos a perfeição para só depois nos usar. Se ele esperasse, eu temo que ainda estaria nos esperando! Um falso mestre não é alguém que comete apenas um erro no ensino da palavra. O erro do falso mestre não é “apenas um erro.” É algo muito maior. Na verdade, há uma enorme diferença entre “um engano” e “transformar a graça de nosso Deus em libertinagem” (Judas 4 - NVI) ou “falar coisas perversas para atrair os discípulos após si” (Atos 20:30) ou “também, movidos pela ganância, e com palavras fingidas, eles farão de vós negócio” (2 Peter 2:3). Aquele que comete “um erro” não é um falso mestre, mas um discípulo que precisa consertar sua mensagem (um exemplo sobre isto está quanto a Apolos em Atos 18: ele não tinha uma mensagem 100% correta, mas conseguiu consertá-la). Os outros na verdade são falsos mestres, porque são lobos em pele de cordeiro, exploradores do povo de Deus, enganando-os e os levando a se desviar, assim como a eles mesmos. E embora seja fácil imaginar esses exploradores como completos estranhos à fé, não é sempre assim que acontece. Alguns deles não são pessoas que, embora tenham começado no Senhor, e depois apostataram da verdadeira fé. A segunda carta de Pedro (2 Pedro 2) dedica uma boa parte a eles. Eu deixei as passagens relacionadas, bem como a de Judas, para o final deste capítulo. Agora vamos a Gálatas.

 



Notas de Rodapé

1. Normalmente, sob a ameaça de dízimo e as supostas coisas horríveis que vão acontecer com os seguidores se eles não dão o seu dízimo para o "ministério" (ou melhor dizendo o "comércio") do pregador.

 

Próxima seção: Gálatas 5:2-4 "Separados estais de Cristo"

 

Autor: Anastasios Kioulachoglou