Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Baixe gratuitamente este estudo na versão PDF version, otimizada para seu leitor ebook/ tablet/ desktop ou smartphone Edição em PDF

"Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;"

Mateus 25 não termina com a parábola dos talentos, mas é imediatamente seguida pelo texto abaixo, que está diretamente relacionado às três parábolas anteriores:

Mateus 25:31-46
“Quando, pois vier o Filho do homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; e diante dele serão reunidas todas as nações; e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e porá as ovelhas ã sua direita, mas os cabritos a esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem ã sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me. Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos? Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te? E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes. Então dirá também aos que estiverem a sua esquerda: Apartai- vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos; porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; era forasteiro, e não me acolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo, e na prisão, e não me visitastes. Então também estes perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou forasteiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Ao que lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixaste de fazer a um destes mais pequeninos, deixastes de o fazer a mim. E irão eles para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna.”

Alguns são rápidos para desconsiderar a passagem acima com a justificativa de que se refere a outros e não a nós mesmos, já que somos salvos pela graça por meio da fé, e não por obras. Eu aceitaria de bom grado, e é verdade que aceitei por anos, esse raciocínio, se eu não tivesse enxergado os seguintes problemas com ele:

Para quem o Senhor estava falando quando ele disse a passagem acima, bem como as três parábolas que lemos em Mateus 24 e 25? Isto é bastante óbvio pelo contexto. O ensinamento do Senhor começou como uma resposta a seguinte pergunta dos discípulos:

Mateus 24:3
“E estando ele sentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Declara-nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo.”

Depois que Ele lhes fala a respeito dos falsos cristos, os falsos profetas, a abominação da desolação, etc., Ele diz:

Mateus 24:36-39, 42-44
“Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos; assim será também a vinda do Filho do homem. Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem....Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.

“Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem.” Quem são estes que devem estar apercebidos e alertas? Seus discípulos. E depois o Senhor prossegue dando vários exemplos, os quais todos se referem igualmente a uma mesma situação: como uma pessoa que espera a vinda do seu Senhor deve comportar-se durante a Sua ausência. Não somos nós exatamente estas pessoas? Se nós não somos estas pessoas então quem mais seriam? Dizendo de outro modo, se nos excluímos destas palavras que Cristo disse aos seus discípulos, então não há mais ninguém a quem essas palavras possam se referir. Este é o motivo básico que me faz acreditar que estas palavras do Senhor não se referem para alguns, mas para mim pessoalmente. Além disso, veja o momento em que esta palavra foi dita, que está explicitada em Mateus 26:1-2:

Mateus 26:1-2
“E havendo Jesus concluído todas estas palavras, disse aos seus discípulos: Sabeis que daqui a dois dias é a páscoa; e o Filho do homem será entregue para ser crucificado.

Estes foram ensinamentos dados a Seus discípulos bem no fechamento do Ministério de Jesus, dois dias antes da crucificação. Ele não deixou tais ensinamentos apenas para nossa informação, mas sim para que fossem aplicados, colocados em prática! Além disso, o que Jesus disse como descrito acima não é de maneira nenhuma inédito. Vejamos o que João disse em sua epístola:

1 João 3:16-18
“Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e nós devemos dar a vida pelos irmãos. Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitando, lhe fechar o seu coração, como permanece nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade.”

Tiago usa o mesmo exemplo de 1 João 3:16-18 e o faz de maneira ainda mais gritante:

Tiago 2:14-17
“Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso? Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.”

O fato de sermos verdadeiros seguidores de Cristo é mostrado de maneira muito simples observando se seguimos ou não a Sua Palavra, fazendo o que esta Palavra nos diz para fazer, ainda que com erros e falhas (eu repito: não somos perfeitos ainda, mas estamos correndo para a perfeição (Filipenses 3:12). Como o Senhor disse, nem todos que O chamam Senhor, Senhor entrarão no reino dos Céus, mas aqueles que fazem a vontade de Seu Pai. Realmente é a fé que salva, mas a fé verdadeira, e esta fé é manifestada em fazer, exclusivamente, as obras de Deus, as obras que Deus preparou para nós. Se somos ou não verdadeiros Cristãos, é mostrado muito claramente pelo fato de seguirmos ou não a Sua Palavra, fazendo o que a Sagrada Escritura nos diz. E para evitar qualquer mal entendido: para executar muitas destas obras você não precisa de nenhuma revelação especial. Elas estão escritas claramente em Sua Palavra. Aqui estão algumas delas:

“Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me. Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos? Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te? E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes.”

E em Tiago 1:27:
“A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo.”

 

Próxima seção: A parábola dos dez mil talentos

 

Autor: Anastasios Kioulachoglou