Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Baixe gratuitamente este estudo na versão PDF version, otimizada para seu leitor ebook/ tablet/ desktop ou smartphone Edição em PDF

Judas 4: "Transformam a graça de nosso Deus em libertinagem" - um alerta muito relevante

O livro de Judas é uma epístola muito curta, apenas 25 versículos ao todo. Mas é poderoso e traz uma evidente urgência nas declarações feitas. O versículo 3 entra imediatamente no assunto:

Judas 1:3
“Amados, enquanto eu empregava toda a diligência para escrever-vos acerca da salvação que nos é comum, senti a necessidade de vos escrever, exortando-vos a pelejar pela fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos.”

A “fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos” estava em perigo e os crentes tiveram que lutar, que batalhar por isto. O que estava errado, o que estava acontecendo? O versículo seguinte nos diz:

Judas 4
“Pois certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor.” 

Essas pessoas estavam fazendo duas coisas:

1. Eles estavam pervertendo a graça de nosso Deus em lascívia.

2. Eles estavam negando o nosso único Mestre e Senhor Jesus Cristo.

Mas como eles fizeram isso? Como Judas diz: eles se infiltraram dissimuladamente. Isto então nos indica que eles não se colocaram explicitamente e em voz alta, dizendo que “Jesus Cristo não é nosso Senhor nem nosso Mestre.” Se fosse assim, eles seriam imediatamente notados. Ao invés disto, eles “se infiltraram dissimuladamente”, talvez, transformando-se da mesma maneira que Paulo diz que os servos de Satanás se transformam, em Ministros da justiça:

2 Coríntios 11:13-15
“Pois os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, disfarçando-se em apóstolos de Cristo. E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz. Não é muito, pois, que também os seus ministros se disfarcem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras.”

Servos de Satanás não vêm apresentando-se como lobos, porque seriam notados. Em vez disso, eles vêm camuflados como ovelhas. Eles aparecem como “ministros de Justiça”, mas suas obras mostram que eles não o são.

O fruto, a vida que alguém vive, o que ele está praticando é o mais claro e o único verdadeiro indicador que determina se ele é uma verdadeira ovelha ou um verdadeiro lobo em pele de cordeiro. O senhor disse isso muito claramente em Mateus 7:15-19:

“Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. “Portanto, é pelos frutos que eles serão conhecidos.”

Apesar da camuflagem, o fruto, as obras dessas pessoas - e não a roupa de cordeiro que ele está vestindo - é um indicador inequívoco para determinar a quem eles servem verdadeiramente.

Além do mais, conforme Judas 12 nos diz: “Estes são os escolhidos em vossos ágapes, quando se banqueteiam convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor;” Em outras palavras, estas pessoas estavam participando dos banquetes dos crentes, as festas do amor, que os crentes as tinham como igreja.

Agora vamos resumir:

i) essas pessoas tinham se infiltrado de maneira a não serem percebidos. Isto indica que eles tinham se camuflado como ovelhas quando na verdade eram lobos vorazes.

ii) eles estavam festejando junto com os verdadeiros crentes em suas refeições , que eram como igrejas.

iii) os crentes não tinham ideia de que eles realmente eram lobos, e o perigo que eles representavam. Se eles soubessem do perigo, eles já teriam o conteúdo suficiente concernente a verdadeira fé uma vez entregue aos Santos, e não haveria nenhuma necessidade de Judas adverti-los.

Eu acredito que estes fatos nos dizem que esses falsos mestres se apresentavam como verdadeiros cristãos. Na verdade o que Judas nos fala é muito semelhante ao que é descrito em 2 Pedro 2, que também fala sobre falsos mestres. Estes eram de fato cristãos antes de se afastarem, tornando-se falsos mestres. Não sei se ambos falam exatamente da mesma situação, mas a verdade é que a única maneira que vejo que estas pessoas mencionadas em Judas conseguiam passar desapercebidos, apesar da corrupção que estavam espalhando, era se passando por Cristão.

Voltando para o que eles estavam fazendo. Eles estavam: Pervertendo a graça de Deus em lascívia e libertinagem, e negando o nosso único Senhor e Mestre Jesus Cristo.

Vamos agora entrar em cada um destes aspectos mais detalhadamente.

“Transformando a graça de nosso Deus em libertinagem”

No que diz respeito a palavra libertinagem, lascívia, ela é proveniente do original grego que quer dizer “aselgeia.” Esta palavra é usada 10 vezes no Novo Testamento e aparece como um dos itens relacionados as obras da carne (ver Marcos 7:21-22, Romanos 13:13, Gálatas 05:19-21). De acordo com o Vine´s Dicionário tem o seguinte significado:

“excesso, licenciosidade, ausência de restrição, indecência, libertinagem”

Essas pessoas tinham pervertido a graça de Deus em uma licença para a imoralidade. Mas como eles fizeram isso? Eu acredito que através do ensino pervertido, na palavra e ações. Na “graça” estavam ensinando, mas havia um espaço para viver em lascívia e pecado. Alguém estava vivendo em pecado? Isto não era problema. A “graça” deles era maior que isto. É difícil entender o que estava realmente acontecendo e eu não quero ler mais no texto do que realmente está expresso, mas é um fato, e escrito no texto, que eles na verdade estavam pervertendo a graça em uma licença para a imoralidade, para o pecado.

Negando ao nosso único Senhor e Mestre Jesus Cristo

Além disso está escrito no texto que estas pessoas estavam negando ao nosso único Senhor e Mestre Jesus Cristo. A palavra traduzida como “Mestre” vem da palavra grega “Despotes”, de onde se origina a palavra “Déspota.” Significa Senhor Absoluto. Em outras palavras, Judas está usando duas palavras muito semelhantes, uma delas muito forte, para indicar o absoluto Senhorio de Jesus Cristo, que essas pessoas estavam negando.

Mas isto é realmente possível? Estas pessoas podem estar dissimuladamente dentro da igreja, em comunhão com os crentes, negando o Senhorio de Jesus Cristo, pervertendo a graça de Deus em uma licença para a imoralidade e ainda assim permanecer totalmente despercebidos? Infelizmente sim, isto pode acontecer. Na verdade eu acredito que isso está acontecendo atualmente na igreja. Muitos são, hoje, os que ensinam uma mensagem da graça gratuita. Uma graça da qual Jesus é muito mais um servo do que Senhor. Uma graça na qual a pessoa é salva uma vez, desde que acreditou, e não importa se ele vai permanecer nesta fé, ou se vai ficar firme na vinha, que é o Cristo. O que importa é aquele momento em que ele acreditou, teve fé. O início, em vez do final. Você quer viver de acordo com o mundo? Não seria bom você fazer isto, eles podem dizer, mas se o fizer, não será também um grande problema. A graça é graça. Resumindo, você pode, segundo eles, ser o seguinte paradoxo: Um cristão, mas não um discípulo de Cristo. Mas, conforme Atos 11:26 nos diz:

“...e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos.”

Foram os discípulos a quem chamaram de Cristãos. Em outras palavras, não existe esta coisa de Cristão que não seja discípulo de Cristo. Qualquer um que não seja um discípulo, um seguidor de Cristo, não é um Cristão.

Como nos resume o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer:

“graça gratuita é a pregação do perdão sem exigir arrependimento ... A graça gratuita é a graça sem discipulado, graça sem a cruz, a graça sem Jesus Cristo.”

Infelizmente esta é a graça que muitos ensinam e seus ensinamentos tem sido muito popular. Todavia, isto é uma graça falsa, uma distorção da verdadeira graça de Deus e devemos estar alertas para não sermos vítimas dela. E, assim, Pedro encerra sua segunda epístola:

“Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza; Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém”

 

Próxima seção: Nós perdemos a salvação cada vez que pecamos?

 

Autor: Anastasios Kioulachoglou