Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Jesus e a Oração (PDF) Edição em PDF

Jesus e a Oração

Este artigo analisa a importância que a oração tinha para Jesus Cristo. O quanto a Palavra de Deus estima a oração é representado pelo fato de que nos chama a "orar sem cessar" (I Tessalonicenses 5:17), "ser sóbrios e vigilantes em nossas orações" (I Pedro 4:7), para "[ser] perseverante na oração" (Romanos 12:12), ser "vigilante nela [oração] com ações de graças" (Colossenses 4:2) etc1 .

No entanto, apesar de todas essas referências da Palavra de Deus que apontam a importância da oração, às vezes ela é negligenciada ou considerada como uma atividade de menor prioridade. O objetivo deste artigo é fazer com que a importância da oração fique mais clara, mostrando como ela era importante na vida de Jesus Cristo.

1. Jesus e a oração : Lucas 5:15-16

A partir do levantamento de alguns dos registros em que nós encontramos Jesus Cristo orando, iremos para Lucas 5. Neste registro, bem como naqueles registros que se seguirão, é importante prestar especial atenção ao contexto, uma vez que irá permitir-nos ver as condições em que Jesus Cristo orou. Assim, a partir de Lucas 5:12-13, somos informados sobre a cura de um homem com lepra. Então o versículo 15, falando em geral, diz-nos que, apesar de Jesus evitar a publicidade de seus milagres “o relatório sobre ele espalhou-se nas redondezas ainda mais, e grandes multidões se reuniam para ouvir, e serem curadas de suas enfermidades" (Lucas 5: 15). A partir dessa passagem, podemos concluir que Jesus estava muito ocupado com todas essas multidões chegando a Ele, e Ele com certeza era muito mais ocupado que muitos de nós. Realmente, nessas condições, quantos de nós teria tido tempo para orar? Mas vamos ver o que Jesus fez:

Lucas 5:16
Mas Ele retirou-se para o deserto para orar.”

A palavra "mas" que precede contrasta com o que segue. No nosso caso, o que precede esta palavra é a descrição de um muito ocupado Jesus Cristo. O que se segue, diz-nos que, apesar do fato de que Ele estava muito ocupado Ele retirou para o deserto e ali orava. Embora esta é uma afirmação muito importante e mostra a importância que Jesus Cristo deu à oração, ele não carrega toda a beleza da passagem correspondente do texto grego. No texto grego do tempo gramatical que é usado indica que algo foi feito várias vezes e de forma consistente no passado, em contraste com o tempo passado simples usado pela maioria das traduções e que pressupõe que algo foi feito no passado uma vez em um tempo específico2. Assim, uma tradução mais precisa dos versículos 15 e 16 seriam:

Lucas 5:15-16
“A sua fama, porém, se divulgava cada vez mais, e grandes multidões se ajuntavam para ouvi-lo e serem curadas das suas enfermidades. Mas ele se retirava para os desertos, e ali orava.”

Portanto, o que os versículos 15 e 16 descrevem não é algo que aconteceu apenas uma vez na vida de Jesus Cristo. Em vez disso, o que eles nos dizem é que Ele estava sempre muito ocupado, com multidões chegando a Ele, mas Ele também costumava ter tempo para orar. Em outras palavras, a oração era um HÁBITO de Jesus, algo a que Ele deu prioridade, mesmo quando Ele estava muito ocupado. Isto nos aponta por sua vez, a importância da oração. Essa importância é tão grande que Jesus Cristo, o Filho de Deus, costumava separar um tempo especial para isso mesmo quando Ele estava muito ocupado com outras atividades piedosas. Além disso, indica que a questão da oração não é tanto uma questão de tempo, pois é uma questão de prioridades. Jesus Cristo tinha tempo para orar porque Ele decidiu ter tempo para isso. Todos nós, de uma forma ou de outra alocamos tempo para várias atividades. A questão, portanto, não é se temos tempo ou não, pois o dia tem o mesmo tempo para todos nós, que tinha para Jesus, ou seja, 24 horas. A pergunta a ser feita é qual a prioridade que a oração tem em nosso calendário diário? É a oração uma das nossas principais prioridades como foi para Jesus ou é algo que nós decidimos fazer depois que realizamos todas as nossas outras atividades, tais como trabalhar, ir à escola, jardinagem, assistindo TV, etc. dormindo? O exemplo de Jesus, em todos os registros da Palavra de Deus que se referem à oração, nos encorajam a fazer da oração uma prioridade em nossas vidas.

Assim, em vez de primeiro alocarmos tempo para as outras atividades e, em seguida, alocar as sobras tempo (se houver) para a oração, é melhor que primeiramente separemos a reserva de tempo para a oração e, em seguida, planejemos nossas outras atividades.

2. Jesus e a oração: Marcos 1:35

Um outro registro muito instrutivo, onde vemos Jesus Cristo orando é dado em Marcos 1:35. Novamente, é muito importante analisar o contexto do registro. Assim, a partir do versículo 21, nos é dito que Jesus ensinou na sinagoga de Cafarnaum, onde Ele também expulsou um espírito maligno (versos 23-27). Como resultado, "sua fama se espalhou imediatamente por toda a região ao redor da Galiléia" (versículo 28). Depois que ele saiu da sinagoga, Ele foi à casa de Simão e André, onde ele curou a sogra de Simão (versículos 30-31). Finalmente:

Marcos 1:32 -34
“Sendo já tarde, tendo-se posto o sol, traziam-lhe todos os enfermos, e os endemoninhados; e toda a cidade estava reunida à porta; e ele curou muitos doentes atacados de diversas moléstias, e expulsou muitos demônios; mas não permitia que os demônios falassem, porque o conheciam.”

Como no registro anterior, também aqui temos a descrição de mais um dia muito ocupado de Jesus. Além disso, uma vez que Ele também estava indo para a Galiléia para o dia seguinte, e já que Sua fama se espalhou por toda a região, seria de esperar que o dia seguinte fosse um dia igualmente ocupado, se não mais movimentado. Isto é exatamente o que aconteceu como os versos 36 e 37 referindo-se ao dia seguinte, dizem-nos:

Marcos 1:36-37
“E Simão e aqueles que andavam com Ele, o procuraram. Quando O acharam disseram: “todos procuram por Ti”.

Todos estavam procurando por Ele. Isto significa que o dia que estava apenas começado seria muito ocupado. Realmente, depois de ter acabado de terminar um dia muito ocupado e sabendo que no dia seguinte iria ser muito ocupado, quantos de nós teria se levantado muito cedo para orar? E se alguém faz isso, não significa que considera a oração como uma prioridade em sua vida? Bem, vamos ver alguém que realmente fez a oração como sua principal prioridade. Quem era ele? Jesus.

Marcos 1:35
”Agora pela manhã, tendo levantado muito antes da luz do dia, ele se foi e partiu para um lugar solitário; e lá ele orou.”

Jesus sabia que ia ser um dia muito ocupado, que provavelmente não iria sobrar muito tempo para orar. O que Ele fez? Ele se levantou mais cedo para orar. Não é esta uma maneira maravilhosa de começar seu dia? Também não é uma maneira maravilhosa de começar o seu dia, mesmo muito ocupado? Em vez de começar o seu dia pensando sobre suas pressões e exigências, você pode iniciá-lo discutindo essas pressões e demandas com o seu Pai, e depois, durante o dia, você terá a alegria de ver seu poder responder suas orações e organizar as questões do dia para você. Mas para fazer isso, você tem que acreditar no que a Palavra de Deus diz sobre a importância da oração e no que Deus pode fazer, como resultado disso, na medida em que você determinar se levantar de manhã para orar. Jesus não se levantava cedo apenas por pura casualidade. Antes, Ele determinava-se a se levantar, porque Ele reconhecia a oração como uma prioridade e também a sua importância para sua vida. Mais uma vez, portanto, a oração é uma questão de prioridades e não uma questão de tempo.

3.Jesus e a oração: Mateus 14:23

Outro registro no qual vemos Jesus Cristo orando é dada no décimo quarto capítulo de Mateus. Novamente, é muito importante analisar o contexto. Desta vez, o dia não era apenas ocupado, mas ele também começou muito triste para Jesus, pois foi o dia em que ele ouviu falar sobre a decapitação de João Batista (ver versos 1-11 para a decapitação). Então, em Mateus 14:12 lemos:

"Então seu discípulo [João] veio levou o corpo e enterrou-o, e depois foi-se e disse Jesus"

Antes de ir em frente, como você se sentiria se você soube que seu primo, que constante e fielmente se posicionou em seu favor, foi morto de forma horrível? Eu acho que você provavelmente se sentiria muito triste, e você gostaria de ficar sozinho por um pouco. Era o que Jesus também queria:

Mateus 14:13
“Quando Jesus ouviu sobre o que havia acontecido, ele retirou-se de barco secretamente para um lugar solitário.”

A sua retirada para este lugar solitário de forma secreta não era algo premeditado, pois aconteceu "quando Jesus ouviu o que tinha acontecido". Obviamente, Jesus quis ter algum tempo de silêncio após o choque dessas más notícias. No entanto, Ele não ficou lá para sempre. Algum tempo depois, ele partiu deste lugar desértico e viu uma grande multidão esperando por ele. “Quando Ele viu esta multidão, ele foi movido de íntima compaixão por ela, e curou os seus enfermos” (Mateus 14:14). Na verdade, ele não só curou seus doentes, mas também os alimentou milagrosamente (Mateus 14:15-21). Então, Mateus 14:22 nos diz o que aconteceu depois desta alimentação:

"E imediatamente constrangeu os seus discípulos a entrar no barco, e passar adiante dele para o outro lado, enquanto ele despedia as multidões"

 

A palavra "imediatamente" está relacionada com a alimentação das multidões e isso significa que, logo que as multidões foram alimentadas, Jesus obrigou os seus discípulos a entrar no barco. Veja esta palavra "constrangeu". A palavra correspondente no grego é o tempo passado do verbo "anagkazo" que é usada nove vezes no Novo Testamento e significa "compelir alguém a fazer algo mesmo que ele possa não querer" (ver também: "dicionário Vine das palavras do Novo Testamento”). Assim, de acordo com a passagem acima Jesus obrigou seus discípulos a entrarem no barco. Provavelmente eles não queriam. Mas Ele não discutiu. Ele os constrangeu a fazê-lo. Então, Ele despediria as multidões. A pergunta que podemos nos perguntar agora é por que Ele obriga os discípulos a saírem? O que ele pretende fazer depois de despedir as multidões? A resposta está no versículo 23:

Mateus 14:23
“E quando Ele despediu as multidões, Ele subiu a montanha sozinho a fim de orar. Agora quando a tardinha veio, ele estava lá só.”

A razão por Ele não permitir que os discípulos ficassem, mas os constrangeu a entrar no barco e ir para o outro lado era que ele queria ficar sozinho para orar. Veja como a oração era importante para Jesus. Por amor da oração, Ele estava disposto a se levantar muito cedo pela manhã, de retirar-se da multidão e de obrigar os discípulos a deixá-lo. Isto não é um indicativo que a oração era a principal prioridade em sua vida? Eu acredito que sim. Podemos apreciar esses registros e acredito que a Palavra fala sobre a importância da oração para que nós também possamos torná-la em uma prioridade para nossa vida.

4. Jesus e a oração: Lucas 6:12-13

Um outro registro no qual encontramos Jesus Cristo orando está em Lucas 6. Desta vez, o foco não está no fato de que Ele separou um tempo para orar, mas sobre o tema de sua oração. Embora o registro não especifique o assunto, ele pode ser facilmente visto a partir do contexto:

Lucas 6:12 -13
“Agora aconteceu naqueles dias que Ele subiu a montanha para orar, e orou continuamente durante toda a noite a Deus. E quando se fez dia ele chamou os seus discípulos para junto de si; e deles ele escolheu doze a quem ele chamou de apóstolos.”

Ele orou toda a noite. Embora a Bíblia não diga especificamente que Ele orou, ela diz que pela manhã ele tomou uma das decisões mais importantes de Seu ministério: a escolha dos doze. Portanto, um dos temas centrais de sua oração naquela noite foi, talvez, esta escolha. A questão agora é: se Jesus precisava orar antes de tomar decisões e escolhas, você acha que nós não precisamos orar, antes de tomá-las? Realmente, por que nós devemos tomar decisões usando nossas mentes limitadas e informações apreendidas por nossos cinco sentidos e não ir a Deus e pedir-Lhe para nos instruir e mostrar-nos qual a melhor escolha, ou seja, Sua escolha é a melhor? Ele sabe a melhor escolha, Ele está disposto a mostrar-nos esta escolha, e ele tem os meios, o Seu Espírito em nós, para anunciá-lo. A questão, portanto, não é se Deus está disposto e é capaz de nos ajudar, porque Ele é. A verdadeira questão é: podemos escolhê-lo como nosso conselheiro e ir a Ele para Lhe pedir através da oração?

O mesmo também é verdade para as coisas relativas ao nosso serviço a Deus. Não precisamos ficar confusos sobre como servir a Deus e o que fazer para ele. Nós não precisamos torturar nossas mentes para tomarmos decisões sobre as coisas que lhe pertencem. Ele é aquele que é responsável por nos dizer o que fazer e como fazê-lo. Algumas destas coisas são mencionadas na Bíblia. Assim, a Bíblia diz a você para amar, para orar, para tomar o cuidado de mostrar-se diante de Deus aprovado, etc. Assim, você não precisa de Deus para dizer-lhe pessoalmente a orar: Ele já disse em Sua Palavra. Da mesma forma você não precisa de Deus para dizer-lhe pessoalmente que deve amar: Ele já disse isto em Sua Palavra. No entanto, você precisa de Sua instrução pessoal, se por exemplo, você está pensando em ir para tal lugar e tal para fazer algum trabalho para ele. Nesse caso, antes de colocar o que vai em sua mente em prática, ore sobre isso para ver o que Deus quer. Ele pode querer que você vá para outro lugar. Ele pode querer que você faça outra coisa. É o seu negócio e Ele é o CHEFE.

5.Jesus e a oração: Mateus 26:36-44

Após o exposto, vamos continuar com outro exemplo que é dado na passagem bem conhecida de Mateus 26:36-44. As coisas que nós vamos ver que aconteceram pouco antes da prisão de Jesus Cristo, e que finalmente culminou em sua crucificação. A partir do versículo 36, lemos:

Mateus 26:36-38
"Então veio Jesus com eles [os discípulos, exceto Judas] a um lugar chamado Getsêmani, e disse aos discípulos:" Sentem-se aqui enquanto eu vou orar ali "E tomou consigo a Pedro e os dois filhos de Zebedeu, e ele começou a entristecer-se e a angustiar-se. Então, ele lhes disse: "minha alma está profundamente triste até a morte. “Ficai aqui e vigiai comigo”.

A razão pela qual Jesus estava muito triste e angustiado era porque Ele sabia o que lhe ia acontecer. Realmente, foi um momento muito difícil para ele e, ao mesmo tempo um momento muito crucial para todos nós já que o plano da nossa salvação foi baseado em seu sacrifício pessoal e ressurreição. Mas como é que Jesus decide fazer face a esta crise? Os versos que se seguem nos dão a resposta:

Mateus 26:39-44
"Ele foi um pouco mais longe e caindo sobre seu rosto, orou, dizendo:" Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice, não seja porém a minha vontade, mas a Tua. Então ele veio para os discípulos e achou-os dormindo e disse a Pedro: "O quê? Não foi possível a você orar nem uma hora comigo? Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca. Novamente, uma segunda vez, retirou-se e orou, dizendo: "meu Pai, se não é possível afastar de mim este cálice sem que eu o beba, seja feita a Tua vontade." E ele veio e os encontrou novamente dormindo, porque seus olhos estavam pesados. Então, ele os deixou, foi embora de novo, e orou pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.”

Jesus estava perguntando ao Pai se não havia outra maneira pela qual Ele poderia realizar a salvação do homem, sem ter que passar pela tribulação no calvário pela qual Ele finalmente passou. Ele orou sobre isso. Na verdade, Ele orou três vezes. É muito instrutivo para nós prestarmos atenção a sua atitude de oração. Como podemos ver, ele expressou seu desejo a Deus ("afasta de mim este cálice"), mas ao mesmo tempo Ele pediu para que a vontade de Deus fosse feita ("não seja porém como eu quero, mas como Tu queres"). Isso é muito importante, pois às vezes pensamos que porque nós pedimos a Deus algo, Ele é obrigado a fazê-lo e não só isso, mas que ele deve fazê-lo quando queremos que ele seja feito e da maneira que quiser. Deus é obrigado a fazer tudo o que pedimos, somente quando o que pedimos está de acordo com a Sua vontade. Agora, para muitas coisas existem registros específicos na Bíblia que nos mostram se algo é Sua vontade ou não. Por outro lado, há outras coisas que por serem de natureza específica para cada pessoa, não são cobertos por uma promessa respectiva específica na Bíblia. Por exemplo, vamos supor que eu quero ter tal e tal carro. A Bíblia não contém nenhuma promessa que me diz se é a vontade de Deus que eu tenha esse carro ou não. É certo, portanto, eu declarar que carro como o meu? Obviamente que não, exceto se Deus me disse especificamente que ele vai ser meu. É meu direito orar a Deus e dizer a Ele o meu desejo? Sim, é! É direito pedir-lhe para me mostrar se é bom para eu ter esse carro ou não? Sim, é! Devo confiar em Sua Palavra que me diz que sua vontade é "boa, agradável e perfeita" (Romanos 12:2) e que "Ele cuida de nós" (II Pedro 2:7) e, portanto, submeter meus desejos a Sua vontade, quaisquer que sejam estes desejos? É claro que sim! Isto é o que Jesus fez. O que Ele orou, porém não poderia ser feito. Mas veja que, embora houvesse um desejo "para que passasse o cálice”, Ele tinha um desejo ainda maior, e era que a vontade de Deus fosse feita. Ele disse: "Todavia não como eu quero, mas como Tu queres". Não é isto bastante instrutivo? Isto não nos diz que a despeito dos vários desejos que podemos ter e que podemos submeter em oração, devemos também ter um desejo ainda maior para que a "boa, agradável e perfeita" vontade de Deus deva ser feita? Com certeza que sim!

Voltando ao exemplo de Jesus, embora o que Ele tenha orado não pudesse ser feito, isto não significa que Deus não honrou Sua oração. O evangelho de Lucas acrescenta alguns detalhes:

Lucas 22:41- 43
“E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e pondo-se de joelhos, orava,dizendo: Pai, se queres afasta de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. Então lhe apareceu um anjo do céu, que O fortalecia.

Deus enviou um anjo para fortalecê-lo a fim de fazer o que era Seu maior desejo: a vontade de Deus. Às vezes, podemos descobrir que nossos desejos pessoais não estão em conformidade com a "boa, agradável e perfeita" vontade de Deus (Romanos 12:2). Se o nosso maior desejo é fazer a vontade de Deus, Deus nos fortalecerá para fazê-lo. No caso de Jesus Cristo, o fortalecimento que Ele recebeu, porque Ele orou, é mostrado no registro de sua prisão:

João 18:3-11
"Então Judas, tendo recebido um destacamento de homens, e oficiais dos principais sacerdotes e fariseus, chegou ali com lanternas, tochas e armas. Jesus, portanto, sabendo todas as coisas que viriam sobre ele, foi para frente e disse-lhes:" A quem você está procurando? "Responderam-lhe:" Jesus de Nazaré." Jesus disse-lhes: "Eu sou ele. "E Judas, que traiu, também estava com eles. Agora, quando Ele lhes disse: “Eu sou ele”, eles recuaram e caíram por terra. Então ele perguntou novamente: "A quem procurais?” E eles disseram: "Jesus de Nazaré." Jesus respondeu: "Eu vos disse que sou eu. “Portanto, se vós me buscais, permiti que esses [os discípulos] sigam o seu caminho”, a fim de que se cumprisse a palavra o Ele falou”, Eu não perdi a nenhum daqueles que me deste. "Então Simão Pedro, que tinha uma espada, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, e cortou-lhe a orelha direita. O nome do servo era Malco. Então Jesus disse a Pedro: "Guarda a tua espada na bainha. Não devo Eu beber o cálice que o Pai me deu?"

O maior desejo de Jesus era fazer a vontade de Deus. Então, Ele submeteu sua vontade à vontade de Deus, assim como eu e você devemos fazer. Mas, para isso, Ele orou e Deus o fortaleceu. Afora isso, o fortalecimento é mostrado na Sua reação aos que vieram prendê-Lo. Assim, embora Ele tenha ido para o jardim profundamente triste e profundamente angustiado Sua reação, uma vez que é dado no registro acima é cheio de ousadia. Pois realmente é necessário muita ousadia para ir ao encontro daqueles que você sabe que estão indo para torturá-lo mais tarde. Uma pessoa com medo teria tentado escapar da situação. Ele teria transferido para os outros o que era sua responsabilidade. Mas Jesus não estava com medo. Em vez de tentar esconder-se atrás dos outros, ele saiu e perguntou-lhes a quem eles estavam procurando. Na verdade, não só Ele fez isso, mas Ele também cuidava da segurança de seus discípulos. Além disso, Ele teve o amor e a paz de espírito para curar a orelha do servo que Pedro havia cortado (Lucas 22:51). Se todos esses registros não mostram uma pessoa totalmente fortalecida o que então eles mostram? Mas como ele se fortaleceu? Através da oração.

6.Jesus e a oração: Conclusão

Depois de todo o exposto, e apesar de haverem mais registros que você pode estudar por si mesmo, é claro que a oração era algo muito importante na vida de Jesus Cristo. Pelo amor da oração, Ele estava pronto para levantar-se cedo pela manhã, obrigar os seus discípulos a deixá-lo e retirar-se da multidão. Pela oração, Ele tomou decisões e Ele superou situações difíceis. Em contraste com a idéia geral que diz que "ore se você tiver tempo", Jesus encontrou tempo para orar. Ao invés da maneira do mundo de pensar que diz: "escolha o que você acha que é melhor e faça o que você quiser", Ele orou para ver o que Deus pensava e fez o melhor ao realizar o que Deus queria que fosse feito. Para encerrar, vamos para Filipenses 4:6-7 e vamos fazer desse o nosso modo de pensar:

Filipenses 4:6-7
"Não andeis ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e pela súplica, com ações de graças, sejam as vossas petições conhecidas diante de Deus; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e mentes em Cristo Jesus"

Anastasios Kioulachoglou

 



Notas de Rodapé

1. Veja também: 1 Coríntios 14:14-15, Efésios 6:18, Filipenses 4:6, Colossenses 4:12, I Timóteo 2:1, Tiago 5: 13, 16 – 18 sem mencionar os registros do evangelho e do Velho Testamento.

2. Ver “Adam Clark´s commentary of the Bible” e “John Wesley´s explanatory notes”.