Gideão: Estudo Bíblico (Juízes 6 e 7)



A Bíblia e especialmente o Novo Testamento está cheio de relatos que nos mostram o modo como Deus trabalhava com vários homens. Um destes homens era Gideão. Este artigo é um estudo bíblico sobre sua vida.

 

Gideão: A experiência (Juízes 6:1-10)

A respeito do tempo de nossa história, nós estamos no período onde Israel era governada por juízes. O último juiz antes de Gideão foi Débora, uma mulher de Deus através de quem Ele “sossegou a terra quarenta anos.” (Juízes 5:32). Contudo, este sossego não durou para sempre. Juízes 6:1-6 nos diz:

 

Juízes 6:1-6
“Porém os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do SENHOR; e o SENHOR os deu nas mãos dos midianitas por sete anos. E, prevalecendo a mão dos midianitas sobre Israel, fizeram os filhos de Israel para si, por causa dos midianitas, as covas que estão nos montes, as cavernas e as fortificações. Porque sucedia que, semeando Israel, os midianitas e os amalequitas, e também os do oriente, contra ele subiam. E punham-se contra ele em campo, e destruíam os frutos da terra, até chegarem a Gaza; e não deixavam mantimento em Israel, nem ovelhas, nem bois, nem jumentos. Porque subiam com os seus gados e tendas; vinham como gafanhotos, em grande multidão que não se podia contar, nem a eles nem aos seus camelos; e entravam na terra, para a destruir. Assim Israel empobreceu muito pela presença dos midianitas;

 

Depois de quarenta anos de sossego, Israel, por causa dos Midianitas, estava sob grande opressão. Como o texto nos diz, eles destruíram suas propriedades de tal forma que “nem ovelhas, nem bois, nem jumentos” foram deixados para eles (Juízes 6:4). Contudo, todas essas calamidades não aconteceram acidentalmente. Juízes 6:1 nos dá a razão:

 

Juízes 6:1
“Porém os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do SENHOR; e o SENHOR os deu nas mãos dos midianitas por sete anos.”

 

“Os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do SENHOR”. Esta era a razão da opressão deles1, a qual contudo teve também um resultado positivo. Na verdade, Juízes 6:6 nos diz:

 

Juízes 6:6
“Assim Israel empobreceu muito pela presença dos midianitas; ENTÃO [como resultado da opressão deles] OS FILHOS DE ISRAEL CLAMARAM AO SENHOR.”

 

Por causa da opressão deles, os israelitas clamaram ao Senhor. Novamente, esta não foi a primeira vez que eles agiram assim. Na verdade, embora muitas vezes eles fizeram o que era mal aos olhos de Deus, adorando falsos deuses, quando as calamidades começaram a os atacar, eles voltaram e procuraram o verdadeiro Deus2. Juízes 6:7-10 nos diz como Deus respondeu ao chamado deles:

 

Juízes 6:6-10
“Assim Israel empobreceu muito pela presença dos midianitas; então os filhos de Israel clamaram ao SENHOR. E sucedeu que, clamando os filhos de Israel ao SENHOR por causa dos midianitas, Enviou o SENHOR um profeta aos filhos de Israel, que lhes disse: Assim diz o SENHOR Deus de Israel: Do Egito eu vos fiz subir, e vos tirei da casa da servidão; E vos livrei da mão dos egípcios, e da mão de todos quantos vos oprimiam; e os expulsei de diante de vós, e a vós dei a sua terra. E vos disse: Eu sou o SENHOR vosso Deus; não temais aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; mas não destes ouvidos à minha voz.”

 

Como resposta ao chamado de Israel, Deus mandou um profeta quem deu a eles Sua palavra, os reprovando pelo o que tinham feito. Contudo, isto era apenas o começo. Nas seções que seguem, nós veremos o que mais Deus fez:

 

Gideão: o começo (Juízes 6:11-35)

Depois de Deus enviar um profeta reprovando Israel, Seu segundo passo foi aproximar um homem chamado Gideão. Juízes 6:11-12 nos diz:

 

Juízes 6:11-12
“Então o anjo do SENHOR veio, e assentou-se debaixo do carvalho que está em Ofra, que pertencia a Joás, abiezrita; e Gideão, seu filho, estava malhando o trigo no lagar, para o salvar dos midianitas. Então o anjo do SENHOR lhe apareceu, e lhe disse: O SENHOR é contigo, homem valoroso.”

 

Quando lemos que um anjo apareceu para Gideão, não imaginemos um ser loiro vestido de branco, batendo no ar as duas grandes asas brancas. Um anjo como este é nada mais do que mitos e imaginações. Na verdade, a Bíblia em lugar nenhum diz que os anjos têm asas, ou vestem panos brancos, ou que eles são loiros. O que a Bíblia diz é que eles são “espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação?” (Hebreus 1:14).

Retornando ao nosso assunto, veja como Deus, através deste anjo, saudou Gideão. Ele o chamou de “homem valoroso”. E mesmo assim, Gideão era apenas um pobre homem que debulhava trigo, para escondê-lho dos Midianitas. Contudo, para Deus ele era um homem valoroso, um homem que, como nós veremos, acreditava e seguia Deus, executando obedientemente tudo que Ele comandava para ele fazer. Os versos que seguem nos dão a resposta de Gideão a saudação do anjo:

 

Juízes 6:13-14
“Mas Gideão lhe respondeu: Ai, Senhor meu, se o SENHOR é conosco, por que tudo isto nos sobreveio? E que é feito de todas as suas maravilhas que nossos pais nos contaram, dizendo: Não nos fez o SENHOR subir do Egito? Porém agora o SENHOR nos desamparou, e nos deu nas mãos dos midianitas. Então o SENHOR olhou para ele, e disse: Vai nesta tua força, e livrarás a Israel das mãos dos midianitas; porventura não te enviei eu?”

 

Gideão questionou como Deus estava com eles, quando todas essas calamidades caiam sobre eles. Porém, não era Deus que não estava com eles, MAS ELES que não estavam com Deus. Como resposta as questões de Gideão, Deus disse a ele para seguir em frente, garantindo que ele seria o que libertador de Israel. “Não te enviei eu?” Ele disse a ele. Na verdade, era Deus que o enviou. Esta missão não era algo que Gideão inventou. Ele estava lá debulhando trigo para escondê-lo dos Midianitas! Juízes 6:15-16 nos dá a resposta de Gideão:

 

Judges 6:15-16
“E ele lhe disse: Ai, Senhor meu, com que livrarei a Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu o menor na casa de meu pai. E o SENHOR lhe disse: Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como se fossem um só homem.”

 

As pessoas facilmente seguem alguém que já está em uma posição principal tal como um rei ou um general. Mas quem seguiria Gideão? Ele era um homem desconhecido. Porém, por mais uma vez Deus o garantiu que ELE estaria com ele. “Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como se fossem um só homem”, disse Ele. É por isso que Gideão não tinha razões reais para temer. Mas Gideão ainda tinha dúvidas:

 

Juízes 6:17-24
“E ele disse: Se agora tenho achado graça aos teus olhos, dá-me um sinal de que és tu que falas comigo. Rogo-te que daqui não te apartes, até que eu volte e traga o meu presente, e o ponha perante ti. E disse: Eu esperarei até que voltes. E entrou Gideão e preparou um cabrito e pães ázimos de um efa de farinha; a carne pós num cesto e o caldo pôs numa panela; e trouxe-lho até debaixo do carvalho, e lho ofereceu. Porém o anjo de Deus lhe disse: Toma a carne e os pães ázimos, e põe-nos sobre esta penha e derrama-lhe o caldo. E assim fez. E o anjo do SENHOR estendeu a ponta do cajado, que estava na sua mão, e tocou a carne e os pães ázimos; então subiu o fogo da penha, e consumiu a carne e os pães ázimos; e o anjo do SENHOR desapareceu de seus olhos. Então viu Gideão que era o anjo do SENHOR e disse: Ah, Senhor DEUS, pois vi o anjo do SENHOR face a face. Porém o SENHOR lhe disse: Paz seja contigo; não temas; não morrerás. Então Gideão edificou ali um altar ao SENHOR, e chamou-lhe: O SENHOR É PAZ.”

 

Esta é a primeira vez que nós lemos que Gideão perguntou e obteve um sinal de Deus. Contudo, não foi a única vez. Há mais que veremos enquanto nós lemos. Entre eles também está o conhecido com o velo. Nós reservaremos, portanto, nossas recomendações sobre os sinais que Gideão pediu e geralmente a prática de pedir por sinais, para depois. Por enquanto, é suficiente dizer que antes de pedir um sinal, Gideão sabia a vontade de Deus sobre a situação. Ele não pediu o sinal em ordem de determinar a vontade de Deus através disso. Pelo contrário, ele pediu isto para confirmar que Deus já tinha falado a ele e que, portanto, era a vontade de Deus. Para esta petição de Gideão, Deus respondeu positivamente, dando a ele o que ele pediu.

A comunicação entre Deus e Gideão continuou à noite também. Juízes 6:25-27 nos diz:

 

“E aconteceu naquela mesma noite, que o SENHOR lhe disse: Toma o boi que pertence a teu pai, a saber, o segundo boi de sete anos, e derruba o altar de Baal, que é de teu pai; e corta o bosque que está ao pé dele. E edifica ao SENHOR teu Deus um altar no cume deste lugar forte, num lugar conveniente; e toma o segundo boi, e o oferecerás em holocausto com a lenha que cortares do bosque. Então Gideão tomou dez homens dentre os seus servos, e fez como o SENHOR lhe dissera; e sucedeu que, temendo ele a casa de seu pai, e os homens daquela cidade, não o fez de dia, mas fê-lo de noite.”

 

Deus disse a Gideão para derrubar o altar de Baal e o bosque assim como a reação das pessoas que, como pode ser visto pela leitura mais adiante, estavam furiosos quando eles viram que estes estavam destruídos (veja Juízes 6:28-30), confirmando que o mal que Israel fez aos olhos do Senhor era idolatria. Também mostra que nem toda Israel, mas apenas uma parte retornou ao Senhor, O buscando. No entanto, por causa da parte que retornou a Ele, Deus libertaria toda a nação.

Tenho visto como Deus apareceu a Gideão, depois que os Israelitas clamaram ao Senhor, e como Ele fez conhecido a Gideão que ele seria quem libertaria Israel, vamos seguir em frente para ver o que aconteceu em seguida:

 

Juízes 6:33-35
“E todos os midianitas e amalequitas, e os filhos do oriente se ajuntaram, e passaram, e acamparam no vale de Jizreel. Então o Espírito do SENHOR revestiu a Gideão, o qual tocou a buzina, e os abiezritas se ajuntaram após ele. E enviou mensageiros por toda a tribo de Manassés, que também se ajuntou após ele; também enviou mensageiros a Aser, e a Zebulom, e a Naftali, que saíram-lhe ao encontro.”

 

Os inimigos de Israel, “Os midianitas e amalequitas, e os filhos do oriente”, estavam todos ajuntados em um lugar. Neste momento, Deus sugeriu a Gideão para mandar mensagens chamando todos os Israelitas para se juntarem após ele. Veja aqui que era Deus que movia Gideão para chegar à decisão de começar a briga naquele momento, o sugerindo para chamar o povo. Novamente isto mostra que Deus era o planejador da batalha enquanto Gideão era o executor do plano de Deus. Sem Deus dizendo a ele o que fazer, Gideão não tinha maneira de saber o que Deus queria que ele fizesse. Sem Gideão acreditando em que Deus dizia a ele para fazer, assim agir sobre ele, a vontade de Deus não seria feita. Portanto, o sucesso de toda a operação dependia da cooperação entre Deus, o comandante, e Gideão o executor do plano de Deus. Não era Gideão quem decidia e executava, mas Deus quem decidia e Gideão quem executava. Este princípio é o mesmo, sempre que nós queremos seguir a vontade de Deus: Deus é o único que tem que revelar para nós Sua vontade – o qual Ele faz, através de Sua palavra escrita ou por revelação – e nós somos os únicos que têm que andar em sua vontade.

 

Gideão e o velo (Juízes 6:36-40)

Depois que Israel estava juntada após Gideão, ele novamente pediu para Deus um sinal. Juízes 6:36-38 nos diz:

 

Juízes 6:36-40
“E disse Gideão a Deus: Se hás de livrar a Israel por minha mão, como disseste, eis que eu porei um velo de lã na eira; se o orvalho estiver somente no velo, e toda a terra ficar seca, então conhecerei que hás de livrar a Israel por minha mão, como disseste. E assim sucedeu; porque no outro dia se levantou de madrugada, e apertou o velo; e do orvalho que espremeu do velo, encheu uma taça de água. E disse Gideão a Deus: Não se acenda contra mim a tua ira, se ainda falar só esta vez; rogo-te que só esta vez faça a prova com o velo; rogo-te que só o velo fique seco, e em toda a terra haja o orvalho. E Deus assim fez naquela noite; pois só o velo ficou seco, e sobre toda a terra havia orvalho.”

 

A passagem acima, a qual descreve o que é conhecido como o incidente do “velo de Gideão”, infelizmente tem sido grandemente incompreendido, como muitas pessoas usam isso para justificar a prática de determinar através de sinais a vontade de Deus. Assim alguns, decidem qual é a vontade de Deus arremesando uma moeda. Outros através do... “Bingo bíblico” (é a abertura da Bíblia em uma página aleatória) e outros através de modos similares. Porém, qualquer conexão de tais práticas com o “velo de Gideão” é errada. A razão é que através do sinal do velo, Gideão não procurou determinar a vontade de Deus. Ao invés de remover o velo, ele quis confirmar o que ele já sabia, por revelação, que era a vontade de Deus. Na verdade, Juízes 6:36 nos diz: “E disse Gideão a Deus: Se hás de livrar a Israel por minha mão, como disseste”. A frase “como disseste” mostra que Gideão já sabia a vontade de Deus. Assim, ele não pediu por um sinal em ordem de determinar por isto a vontade de Deus. Do contrário, ele pediu por isso em ordem de confirmar o que ele já sabia como vontade de Deus. A respeito dos sinais, outra coisa a ser apontada é que em lugar nenhum a Palavra de Deus obriga a Deus nos dar um sinal, quando Ele já nos revelou Sua vontade, através de Sua palavra escrita ou por revelação. Quando nós não sabemos a vontade de Deus, nós tentamos a descobrir. Nós estudamos a Bíblia, e oramos para Deus revelar isto a nós, se Ele ainda não revelou isto na Bíblia. Nós não devemos colocar restrições a Deus ou pré-determinar o tempo e o tipo da resposta de Deus. A Palavra de Deus não O obriga a nos dar a resposta que nós gostamos mais nem nos dar a resposta quando nós queremos que ela seja dada a nós. Pelo contrário, Deus é obrigado por Sua própria natureza como Deus de amor e cuidado, nos dar a melhor resposta no tempo em que Ele acha que é melhor. A respeito da prática de pedir por sinais, o que nós podemos dizer com garantia baseada na Palavra de Deus, é que Deus nos ajudará certamente a seguirmos Sua vontade (se nós quisermos segui-lá, é claro). Contudo, ninguém pode restringir Ele no modo em que Ele nos ajuda. Ele fará o que Ele acha que é o melhor. Quando algo é a vontade de Deus, Deus apoiará isto ao máximo, mesmo se isto significa manter o velo seco quando toda a outra terra está molhada, ou dar uma passagem de apoio no... Bingo bíblico ou fazer qualquer outra coisa que é necessária para nos ajudar a crer e fazer Sua vontade. Ninguém diz que Deus não usa sinais para nos ajudar a seguirmos Sua vontade. CONTUDO, quando esses são dados não são dados como substitutos da Palavra de Deus, mas como modos de apoio para crermos no que já está declarado – através da Bíblia ou através de revelação – vontade de Deus.

Levando a discussão dos sinais um pouco adiante, eu acredito que o melhor sinal sobre se algo vem de Deus ou não é o modo como isso flui. Tudo que vem de Deus flui de um modo que está em harmonia com a Palavra de Deus. Como Provérbios 10:22 nos diz:

 

Provérbios 10:22
“A bênção do SENHOR é que enriquece; e não traz consigo dores.”

 

Também como Efésios 3:20 nos diz sobre Deus:
“[le] é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos”

 

Além disso, Tiago 1:16-17 adiciona:
“Não erreis, meus amados irmãos. Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.”

 

Tudo que vem de Deus é um DOM PERFEITO. É mais do que nós pedimos ou pensamos. NÃO TRAZ CONSIGO DORES. É perfeito em pequeno, médio ou longo prazo. Em contraste, o que vem do diabo, terminará mais cedo ou mais tarde no exato resultado oposto, ou seja, em lágrimas, dores e feridas3. O que está escrito acima de nenhum modo significa que se algo é acompanhado por perseguição pode não ser vindo de Deus. A Palavra é clara: “no mundo tereis aflições”, nos diz (João 16:33). Contudo, mesmo em tribulação nós teremos o conforto e encorajamento de Deus que acompanha aqueles que O seguem. Ninguém pode retirar isto.

 

Gideão: a derrota dos Midianitas (Juízes 7)

Retornando a Gideão, depois do milagre com o velo, ele estava fortalecido. Contudo, a hora da batalha ainda não tinha chegado. Na verdade, depois do ajuntamento dos Israelitas e apesar do fato que eles estavam enfrentando um vasto exército, Deus sugeriu a Gideão reduzir seu exército! Juízes 7:1-2 nos diz:

 

“Então Jerubaal (que é Gideão) se levantou de madrugada, e todo o povo que com ele havia, e se acamparam junto à fonte de Harode, de maneira que tinha o arraial dos midianitas para o norte, no vale, perto do outeiro de Moré. E disse o SENHOR a Gideão: Muito é o povo que está contigo, para eu dar aos midianitas em sua mão; a fim de que Israel não se glorie contra mim, dizendo: A minha mão me livrou.”

 

Deus queria mostrar aos Israelitas que ELE É DEUS, um Deus capaz de libertar independente da magnitude do inimigo. Então Ele comandou Gideão reduzir seu exército. Juízes 7:3-8 nos diz:

 

“Agora, pois, apregoa aos ouvidos do povo, dizendo: Quem for medroso e tímido, volte, e retire-se apressadamente das montanhas de Gileade. Então voltaram do povo vinte e dois mil, e dez mil ficaram. E disse o SENHOR a Gideão: Ainda há muito povo; faze-os descer às águas, e ali os provarei; e será que, daquele de que eu te disser: Este irá contigo, esse contigo irá; porém de todo aquele, de que eu te disser: Este não irá contigo, esse não irá. E fez descer o povo às águas. Então o SENHOR disse a Gideão: Qualquer que lamber as águas com a sua língua, como as lambe o cão, esse porás à parte; como também a todo aquele que se abaixar de joelhos a beber. E foi o número dos que lamberam, levando a mão à boca, trezentos homens; e todo o restante do povo se abaixou de joelhos a beber as águas. E disse o SENHOR a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam as águas vos livrarei, e darei os midianitas na tua mão; portanto, todos os demais se retirem, cada um ao seu lugar. E o povo tomou na sua mão a provisão e as suas buzinas, e enviou a todos os outros homens de Israel cada um à sua tenda, porém os trezentos homens reteve; e estava o arraial dos midianitas embaixo, no vale.”

 

Finalmente, depois da seleção de Deus, apenas 300 homens permaneceram. Através deles Deus derrotaria o grande exército dos Midianitas e seus aliados. O fato é que apesar da grande diferença em números a batalha seria vitoriosa para Israel, estava absolutamente certo o que Deus disse a Gideão. Realmente como Ele disse a Gideão: “Com estes trezentos homens... vos livrarei, e darei os midianitas na tua mão” (Juízes 7:7). Era, portanto, certo que se Gideão acreditasse e seguisse as instruções de Deus, a batalha seria vitoriosa para Israel, pois Deus prometeu isso. Contudo, Deus não deu apenas Sua garantia para o resultado vitorioso da batalha, mas Ele também ajudou Gideão acreditar nesta promessa, e segui em frente. Juízes 7:9-14 nos diz:

 

Juízes 7:9-14
“E sucedeu que, naquela mesma noite, o SENHOR lhe disse: Levanta-te, e desce ao arraial, porque o tenho dado na tua mão. E, se ainda temes descer, desce tu e teu moço Purá, ao arraial; E ouvirás o que dizem, e então, fortalecidas as tuas mãos descerás ao arraial. Então desceu ele com o seu moço Purá até ao extremo das sentinelas que estavam no arraial. E os midianitas, os amalequitas, e todos os filhos do oriente jaziam no vale como gafanhotos em multidão; e eram inumeráveis os seus camelos, como a areia que há na praia do mar. Chegando, pois, Gideão, eis que estava contando um homem ao seu companheiro um sonho, e dizia: Eis que tive um sonho, eis que um pão de cevada torrado rodava pelo arraial dos midianitas, e chegava até à tenda, e a feriu, e caiu, e a transtornou de cima para baixo; e ficou caída. E respondeu o seu companheiro, e disse: Não é isto outra coisa, senão a espada de Gideão, filho de Joás, varão israelita. Deus tem dado na sua mão aos midianitas, e todo este arraial.”

 

Deus não revelou apenas para Gideão sua vontade, mas Ele também o ajudou novamente a acreditar nisso. E veja a forma maravilhosa que Ele fez isso: Ele o enviou ao campo dos inimigos para ouvir por suas próprias orelhas alguém descrever sua vitória contra os Midianitas!!! O resultado desta ajuda é mostrado no verso 15. Lá nós lemos:

 

Juízes 7:15
“E sucedeu que, ouvindo Gideão a narração deste sonho, e a sua explicação, adorou; e voltou ao arraial de Israel, e disse: Levantai-vos, porque o SENHOR tem dado o arraial dos midianitas nas nossas mãos.”

 

Assim que Gideão ouviu o sonho e sua interpretação, ele teve certeza que o Senhor entregou o arraial dos inimigos em suas mãos.

 

Juízes 7:16-22
“Então dividiu os trezentos homens em três companhias; e deu-lhes a cada um, nas suas mãos, buzinas, e cântaros vazios, com tochas neles acesas. E disse-lhes: Olhai para mim, e fazei como eu fizer; e eis que, chegando eu à extremidade do arraial, será que, como eu fizer, assim fareis vós. Tocando eu a buzina, eu e todos os que comigo estiverem, então também vós tocareis a buzina ao redor de todo o arraial, e direis: Espada do SENHOR, e de Gideão. Chegou, pois, Gideão, e os cem homens que com ele iam, ao extremo do arraial, ao princípio da vigília da meia noite, havendo sido de pouco trocadas as guardas; então tocaram as buzinas, e quebraram os cântaros, que tinham nas mãos. Assim tocaram as três companhias as buzinas, e quebraram os cântaros; e tinham nas suas mãos esquerdas as tochas acesas, e nas suas mãos direitas as buzinas, para tocarem, e clamaram: Espada do SENHOR, e de Gideão. E conservou-se cada um no seu lugar ao redor do arraial; então todo o exército pôs-se a correr e, gritando, fugiu. Tocando, pois, os trezentos as buzinas, o SENHOR tornou a espada de um contra o outro, e isto em todo o arraial”

 

Gideão seguindo um ousado plano e indo a batalha contra uma grande multidão com apenas 300 homens, armados com..................... buzinas, tochas e cântaros, finalmente derrotou esse grande exército. Agora, se alguém perguntar por que ele decidiu lutar com os Midianitas de tais maneiras, a resposta óbvia é porque Deus disse a Ele. Na verdade, como nós podemos nos lembrar foi Deus que disse que ele libertaria Israel. Foi Deus também que disse para ajuntar Israel para a batalha e foi Ele Quem da multidão de Israelitas escolheu apenas 300 homens para a batalha. Foi Ele também que disse a Gideão para seguir o plano que foi seguido naquela noite. O resultado foi uma tremenda vitória para os Israelitas. Como o texto diz: “SENHOR tornou a espada de um contra o outro, e isto em todo o arraial, que fugiu para Zererá, até Bete-Sita, até aos limites de Abel-Meolá, acima de Tabate”. Os versos 23-25 nos dão a parte final desta grande vitória dos Israelitas:

 

Juízes 7:23-25
“Então os homens de Israel, de Naftali, de Aser e de todo o Manassés foram convocados, e perseguiram aos midianitas. Também Gideão enviou mensageiros a todas as montanhas de Efraim, dizendo: Descei ao encontro dos midianitas, e tomai-lhes as águas até Bete-Bara, e também o Jordão. Convocados, pois, todos os homens de Efraim, tomaram-lhes as águas até Bete-Bara e o Jordão. E prenderam a dois príncipes dos midianitas, a Orebe e a Zeebe; e mataram a Orebe na penha de Orebe, e a Zeebe mataram no lagar de Zeebe, e perseguiram aos midianitas; e trouxeram as cabeças de Orebe e de Zeebe a Gideão, além do Jordão.”

 

Como pode ser visto, na fase final da batalha os outros Israelitas participaram também. O verso 28 do oitavo capítulo nos dá a magnitude do triunfo e da libertação que Deus deu para Israel através de Gideão:

 

Juízes 8:28
“Assim foram abatidos os midianitas diante dos filhos de Israel, e nunca mais levantaram a sua cabeça; e sossegou a terra quarenta anos nos dias de Gideão.”

 

Quando os Israelitas fizeram mal aos olhos do Senhor, abandonando Ele e adorando falsos deuses o resultado foi aflição e grande pobreza. Contudo, quando eles retornaram e procuraram Sua libertação, Ele os enviou um profeta que os reprovou por Sua Palavra. Além disso, Ele levantou Gideão para se líder deles. Ele, embora fosse um homem pobre e desconhecido, estava disposto em fazer o que Deus queria que ele fizesse, e Deus por sua vez o ajudou de todo modo até o fim a cumprir a missão de libertação de Israel. O resultado foi uma grande libertação para Israel e sossego por todos os anos que Gideão estava vivo. Gideão com certeza foi também grandemente abençoado. Como Juízes 8-29-32 nos diz:

 

Juízes 8:29-32
“E foi Jerubaal, filho de Joás, e habitou em sua casa. E teve Gideão setenta filhos, que procederam dele, porque tinha muitas mulheres... E faleceu Gideão, filho de Joás, numa boa velhice; e foi sepultado no sepulcro de seu pai Joás, em Ofra dos abiezritas.”

 

Gideão teve uma vida quieta e longa, não mais tentando esconder o trigo do inimigo, mas vivendo com sua família em paz.

 

Gideão: conclusão

Portanto, para concluir: a partida do Senhor traz apenas opressão e calamidades. Contudo, mesmo se isso está feito, Deus está sempre ali pronto para perdoar e libertar qualquer um que retornar a Ele.

Fora isso, outra coisa que também é ensinada dos relatos que nós lemos é que quando Deus diz algo Ele também está disposto a nos ajudar a cumprir. Tais coisas como sinais quando eles vêm de Deus tem que ser de acordo com a Palavra de Deus e apoiar o que é a vontade de Deus já declarada. Deus nos deu Sua Palavra e as manifestações de espírito para revelar a nós Sua vontade. Se nós agora precisamos de ajuda no caminho, nós teremos com certeza a ajuda que precisamos. Eu não sei como esta ajuda chegará. O que eu sei, contudo, é que de fato chegará e será suficiente para nos apoiar de toda a forma até o fim, exatamente como foi suficiente para Gideão também.

 

Anastasios Kioulachoglou

 



Notas de Rodapé

1. Infelizmente, este não é o único lugar onde a frase “os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do SENHOR” ocorre na Bíblia. Há muito mais (veja, por exemplo, Juízes 2:11-15, 4:1-2, 10:6, 13:1, 1 Reis 11:6, Neemias 9:28) que adicionalmente nos mostra que o mal que Israel fez era idolatria e o subsequente abandono de Deus. Também, como um olhar nestes relatos deixa claro, essa maldade sempre foi seguida por destruição, calamidades e opressão.

2. Veja por exemplo Juízes 3:7-9, 3:12-15, 4:3, 10:10, Neemias 9:28.

3. O diabo também pode produzir sinais, mas falsos que visam nos conduzir para dentro de suas armadilhas. É por isso que nós devemos ser cuidadosos com sinais. Nosso guia não é os sinais, mas a Palavra de Deus. Qualquer coisa que está em concordância com a Palavra de Deus vem de Deus. Qualquer coisa que está em contraste a esta Palavra vem do diabo. Sinais são válidos apenas quando apóiam uma situação que flui em completa harmonia com a Palavra. Do contrário, eles não têm validade.




 

Gideão: Estudo Bíblico (Juízes 6 e 7) (PDF) Edição em PDF