Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Deus de Abraão, Isaac e Jacó (PDF) Edição em PDF

Deus de Abraão, Isaac e Jacó

Um texto bíblico que muitos pensam que dá suporte à doutrina das “almas” que continuam vivendo após a morte está em Mateus 22:30. Assim lemos:

“Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos!"

Algumas pessoas dizem: “Vê: Deus é o Deus de Abraão, de Isaac e Jacó e assim sendo ele não Deus dos mortos, mas dos vivos, por conseguinte Abraão, Isaac e Jacó, embora estejam mortos, ainda estão vivos.” Contudo tal consideração isolada da passagem foge do contexto e pode resultar em um equívoco. De fato se você lê o texto acima compreenderão que a primeira parte é apenas a metade da sentença. O que aconteceu foi o seguinte: Os saduceus, que não acreditavam na ressurreição, vieram e desafiaram a Jesus perguntando-lhe com qual esposa será a esposa de um homem que se casou sete vezes no dia da ressurreição. Então Jesus deu-lhes a seguinte resposta:

Mateus 22:27-30
“Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus. Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu. E, acerca da ressurreição dos mortos, não tendes lido o que Deus vos declarou, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos.”

Tudo que Jesus disse foi sobre a ressurreição! Quando ele disse “não tendes lido o que Deus vos declarou, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos.” Sua frase não se iniciou aí! Ao invés disto ele disse falando sobre a ressurreição: “E, acerca da ressurreição dos mortos…” De fato, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos. Por quê? Não porque os mortos estejam vivendo em algum lugar, mas porque Deus elevará os mortos e os trará à vida novamente. “É por causa da ressurreição dos mortos” que “Ele não é Deus dos mortos, mas dos vivos.”

Anastasios Kioulachoglou