Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Baixe gratuitamente este estudo na versão PDF version, otimizada para seu leitor ebook/ tablet/ desktop ou smartphone Edição em PDF

Apocalipse 2 e 3: As epístolas de Jesus às sete igrejas são relevantes para nós?

Depois dos Evangelhos e com exceção de algumas poucas passagens em Atos e nas Cartas, é em Apocalipse que encontramos Jesus novamente falando na primeira pessoa. Os capítulos 2 e 3 contêm cartas que foram enviadas às sete igrejas da Ásia menor. Jesus ditou estas cartas diretamente ao apóstolo João, ordenando-lhe para escrevê-las e enviá-las para estas igrejas, juntamente com todo o livro de Apocalipse. No entanto é surpreendente como estas Epístolas de Jesus recebem tão pouca atenção. Semelhantemente à teoria que essencialmente quer reduzir a importância dos 4 livros iniciais do Evangelho, classificando-os como não tão relevantes para nós hoje, desta vez se alega que estas Epístolas de Jesus, juntamente com o livro do Apocalipse, como um todo, não se refere realmente a nós, mas sim, de acordo com esta teoria, a alguns futuros crentes que vão entender a mensagem. Isto significa implicitamente que podemos seguramente ignorar este livro, ou considerá-lo como algo “apenas para nossa informação.” De acordo com essa teoria, no que se refere às sete igrejas, elas são futuras igrejas às quais se referem as cartas1. No entanto, estas Igrejas eram igrejas reais quando João escreveu as cartas, exatamente como havia uma verdadeira Igreja em Corinto para a qual Paulo escreveu suas epístolas. Na verdade algumas destas igrejas como a Igreja de Éfeso e Laodicéia também são mencionadas nas cartas de Paulo. De fato, todo a teoria de que estas epístolas não estão realmente se referindo aos crentes vivendo sob a era da graça, cai por terra quando o próprio Jesus ordenou a João o que fazer com a mensagem que ele estava prestes a receber. Isto fica claramente evidenciado em Apocalipse 1:11:

Apocalipse 1:11
“que dizia: O que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas: a Éfeso, a Esmirna, a Pérgamo, a Tiatira, a Sardes, a Filadélfia e a Laodicéia.”

Então, adivinhe o que João fez? Ele escreveu as cartas e mandou imediatamente para as sete igrejas mencionadas. Portanto as cartas de Jesus para essas igrejas se referem a crentes cristãos nestas igrejas. E elas são tão importantes para nós quanto as cartas que Paulo por exemplo enviara para os fiéis na Igreja de Corinto, Éfeso, Galácia etc.

Uma das razões pelas quais muitos se apressam em colocar estas cartas naquela grande caixa com o título: “não é relevante para nós”, é porque essencialmente não apreciam o que Jesus diz. Eles vêem Jesus dizendo por exemplo: “Conheço as tuas obras” (Apocalipse 2:2), e “arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres” (Apocalipse 2:5) etc. Então eles percebem que tais palavras “duras”, - de acordo com eles – não se conciliam entre a ideia que elas tem do Evangelho e com a imagem de Jesus que elas guardam. Então se torna necessário planejar, encontrar caminhos, para evitar a relevância destas palavras direcionadas diretamente a nós, hoje, tanto quanto for possível. E a forma que muitos encontram para minimizar esta relevância é considerar essas cartas e Apocalipse em geral como se referindo principalmente aos crentes futuros que estarão vivendo naqueles dias. A verdade, portanto é que elas são tão relevantes para nós quantos as Epístolas aos apóstolos. Ambos os tipos de Cartas foram escritas para igrejas e crentes reais daquele tempo e, por extensão, também se referem a nós.

Indo agora para as Epístolas, vemos a maneira como Jesus está olhando para cada igreja (não a igreja construção, mas pessoas). Podemos perceber que se assemelha a um treinador que se preocupa com seus atletas, que estão empreendendo uma corrida ou uma luta. Então você verá que o retorno, a avaliação que Ele faz para essas igrejas é diferente em cada caso. Algumas delas estão se saindo bem. Elas devem se manter e continuar desta forma. Mas outras estão com problemas. O Senhor não lhes diz “Ok, está tudo bem...Afinal eu paguei o preço por você e não precisa fazer mais nada. Ele lhe diz os seus pontos positivos (isto Ele fez para todos, exceto para a Igreja de Laodicéia) e depois repassa as críticas, as admoestações que Ele tem para as igrejas. Em 4 de 7 igrejas ele diz-lhes “Arrependei-vos”, ou seja, mudem de rumo. Na verdade ele não diz apenas “Arrependei-vos” mas “Arrepende-te, senão...”! Aqui estão umas dessas consequências.

Apocalipse 2:5
“Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.”

Apocalipse 2:15-16
“Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio. Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca.”

Apocalipse 3:2-3
“Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.”

Alguns não podiam compreender que Jesus pudesse ter falado à essas Igrejas. Mas amados irmãos, a Bíblia nos mostra Jesus de diferentes ângulos e um deles está em Apocalipse 1: 11-18:

“O que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas: a Éfeso, a Esmirna, a Pérgamo, a Tiatira, a Sardes, a Filadélfia e a Laodicéia. E voltei-me para ver quem falava comigo. E, ao voltar-me, vi sete candeeiros de ouro, no meio dos candeeiros um semelhante a filho de homem, vestido de uma roupa talar, e cingido à altura do peito com um cinto de ouro; e a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve; e os seus olhos como chama de fogo; e os seus pés, semelhantes a latão reluzente que fora refinado numa fornalha; e a sua voz como a voz de muitas águas. Tinha ele na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois gumes; e o seu rosto era como o sol, quando resplandece na sua força. Quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último, e o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo pelos séculos dos séculos; e tenho as chaves da morte e do hades.”

A imagem que guardamos de Jesus também tem espaço para a imagem acima ou Jesus é para nós apenas um jovem loiro e doce que não seria capaz de matar uma mosca?

Retornando a nossa pergunta original: As Epístolas de Jesus às sete igrejas referem-se também a nós por extensão, exatamente como as Epístolas de Paulo aos Gálatas, ou aos Coríntios? A resposta é sim, elas se referem a nós também. Todas estas cartas deveriam ser igualmente lidas e colocadas em prática pelos seus respectivos ouvintes., E se temos ouvidos para ouvir, como deveríamos, as Epístolas dos apóstolos para as igrejas, então também devemos ter ouvidos para ouvir as Epístolas do Mestre dos apóstolos para as Igrejas.

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” (Apocalipse 2 e 3).

 



Notas de Rodapé

1. Por óbvio existem muitas teorias concernentes ao significado do livro de Apocalipse, e em quase todas está ausente a relevância das epístolas as sete igrejas (este é o foco de estudo deste apêndice em nosso livro). Tais teorias tratam estas cartas não como verdadeiras epístolas endereçadas a pessoas reais, mas como algo em sentido metafórico, ou passado, sem aplicação prática no presente ou futuro.

 

 

Autor: Anastasios Kioulachoglou