Verdades Bíblicas
Inscreva-se

A profecia em 1 Coríntios 14 (PDF) Edição em PDF

A profecia em 1 Coríntios 14

Há algum tempo recebi um mail dum leitor em que perguntava acerca da profecia em 1 Coríntios 14. Gostaria de aproveitar a oportunidade e usar este artigo para abordar este tema.

1. Profecia em 1 Coríntios 14: definição

De acordo com 1 Coríntios 12,14, a profecia é a manifestação do Espírito Santo através do qual Deus envia uma mensagem que se dirige ao corpo de crentes presentes no encontro tendo como propósito a sua edificação, exortação e conforto. Como está escrito em 1 Corintos 14:3-4:

1 Coríntios 14:3-4
“Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação... mas o que profetiza edifica a igreja.”

Imediatamente temos as duas coisas: o público a qual se destina a profecia e o seu propósito. O público é a igreja, o corpo dos crentes presentes no encontro1. O propósito da profecia é de edificar, exortar e confortar a audiência, o corpo de crentes. Por essa razão era suposto (e é suposto) acontecer a profecia no encontro da igreja; i.e. mensagens de Deus vindas através dos crentes para o fortalecimento, exortação e o conforto da igreja.

2. Profecia em 1 Coríntios 14: não é o mesmo que o ministério de um profeta (Efésios 4:11)

Agora não devemos confundir a manifestação da profecia, falada em 1 Coríntios 14 com o ministério do profeta. Como está escrito em Efésios 4:11:

Efésios 4:11
"E ele deu uns como apóstolos, e outros como PROFETAS, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres "

O profeta em Efésios 4:11, creio eu, é diferente da profecia ou do profeta em 1 Coríntios 14. Embora ambos tragam uma mensagem de Deus, o propósito da manifestação em 1 Coríntios 14 é a fortificação, a exortação e a consolação da igreja local. O que eu quero dizer é que não é o propósito deste tipo de profecia de profetizar acerca de acontecimentos futuros ou o que poderá acontecer à nação ou de dirigir uma profecia pelo nome a uma pessoa específica. Tais profecias poderão ainda ser válidas. No entanto não é dessas profecias que se fala em Coríntios 14. Talvez hajam pessoas na igreja que possuem o ministério de profetizar no sentido de Efésios 4:11. Mas não é isso que quer dizer 1 Coríntios 14 quando fala acerca da profecia. Como está escrito em 1 Coríntios 14:5:

1 Coríntios 14:5
"Ora, quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis... "

O desejo do Paulo é que TODOS falem em línguas e ainda mais quer que TODOS profetizem. Como ele diz também no mesmo capitulo:

1 Coríntios 14:31
“Porque todos podereis profetizar, cada um por sua vez...”

e em 1 Coríntios 14:1
“Segui o amor; e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar”

Nos TODOS podemos profetizar i.e. trazer uma mensagem de Deus para o fortalecimento, exortação e conforto destinada à igreja local. Mas isto não significa que possuímos todos o ministério de um profeta no sentido de Efésios 4:11. No Corpo de Cristo, alguns de nos talvez tenham o dom do ministério de profetizar, mas não TODOS o têm (os outros ministérios também são necessários!) embora cada crente possa profetizar no sentido de 1 Coríntios 14 para a fortificação, a exortação e o conforto da igreja local.

3. Profecia em 1 Coríntios 14: Não é um sermão

Esclareçamos também que uma profecia não significa dar um sermão. Preciso fala disso uma vez que ouvi algumas vezes que uma profecia é mais ou menos a mesma coisa que um pastor dar um sermão. No entanto uma profecia NÃO é dar um sermão ou uma aula. Profecia é uma mensagem que vem directamente da boca de Deus - através da revelação - e dirigida directamente aos crentes presentes. É Deus que fala na profecia, directamente na 1ª pessoa. A profecia e o ensinamento são duas coisas distintas e ambas são necessárias. Quem quer olhar honestamente para as escrituras sabe que são obviamente duas coisas diferentes2. Não vamos confundir coisas que a Palavra de Deus nunca confunde. Também, quando lemos 1 Coríntios temos de ter em consideração que o que Paulo chama encontros da igreja, eram na minha compreensão das escrituras, encontros nas casas particulares. Não existia nada como um auditório que servia para 500 até 5000 pessoas com um púlpito no meio e cadeiras viradas para o padre ou pregador. Pessoas perguntam como podemos ter na nossa igreja encontros como diz Paulo em 1 Coríntios 14? Falando em “encontro da igreja” eles referem se habitualmente aos encontros como são feitos hoje em dia. Nós tentamos, através da forma e da estrutura dos nossos encontros, ser congruente com o que Paulo diz. Mas precisamos de compreender o que Paulo ou o Novo Testamento definem como encontros da igreja tem muito mais haver com os nossos encontros em casas e a participação activa de todos do que com o nosso modelo dos serviços dominicais. Como está dito em 1 Coríntios 14:26:

1 Coríntios 14:26
“Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.”

Na igreja do primeiro século a participação activa e espontânea de cada um dos crentes nos encontros era comun. Não era apenas permitido mas até esperado! “Cada um de vocês” diz Paulo. Cada uma deles levava aos encontros o que tinha: um salmo, um ensinamento, falar em línguas com interpretação, uma revelação. O propósito disto? O fortalecer do corpo dos crentes. Todos participavam com o que Deus lhes tinha dado. Não eram encontros secos ou aborrecidos, como acontece muitas vezes com os nossos encontros dominicais. Nem eram monopolizados pelo mesmo membro do corpo como acontece hoje em dia e todos os outros crentes olhando passivamente como espectadores como no cinema.

4. Profecia em 1 Coríntios 14: a minha experiência

Do que vimos antes e pela leitura de 1 Coríntios 14, obviamente era normal falar em línguas com interpretação e profetizar nos encontros das igrejas do 1º século. Não era a excepção! Em muitos encontros em que estive estes dons que Deus deu para o fortalecimento da igreja, simplesmente não são existentes. Eles existem como dádivas. De facto podem até ser aceites teoricamente ou teológicamente pela respectiva congregação. No entanto nunca são aplicados. A verdade é que em muitas congregações simplesmente não há lugar para eles. As dádivas que Deus dá para a fortificação, a exortação e o conforto do corpo foram substituídas pelo rígido programa que tem a forma ou de uma liturgia formal onde a mesma pessoa, semana após semana faz a mesma coisa (igreja católica ou ortodoxa) ou como na igreja protestante em que a forma se assemelha a um programa (também é uma liturgia) que diz: em primeiro lugar vamos cantar e depois o pastor ou talvez um conjunto de outros vão rezar, a seguir temos o sermão e depois termina o encontro. Se alguém pensa que Deus tem uma mensagem para a assembleia não há maneira de o dizer em muitas igrejas! A participação das pessoas praticamente é proibida! Deve ser dito que em alguns outros encontros se deve antes falar ao pastor ou aos mais velhos para puderem avaliar se a mensagem vem de Deus, e depois permitem ou não a pessoa de a partilhar. Mas na igreja do 1º século, na igreja de que as epístolas falam, não era assim. Vamos ver o que Paulo diz:

1 Coríntios 14:29-31
“E falem os profetas, dois ou três, e os outros julguem. Mas se a outro, que estiver sentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, cada um por sua vez; para que todos aprendam e todos sejam consolados.”

Cada um podia levantar-se para profetizar (para fortalecer, exortar e confortar) e os outros avaliavam a mensagem. Era a norma, todos eram livres de o fazer e fazia - se!

No entanto estive presente em outros encontros onde muitos dos participantes se comportaram no mínimo estranhamente. Há uma sensação de confusão constante nestes encontros onde se ouvem altos gemidos, outras pessoas falam em línguas sem interpretação ou começam por falar de revelações que não tem muito haver com fortalecimento, exortação e conforto da igreja, ou se mandam para o chão onde permanecem parecendo sem consciência dizendo que é “obra do espírito”. Em muitos casos os vizinhos de tais igrejas chamam a polícia por causa do barulho e da confusão destes encontros. Por vezes o exemplo deste tipo de igrejas é utilizado pelas 1ª igrejas (as rígidas já mencionadas) para justificar o seu comportamento rígido e seu alto grau de controlo. Mas isto não é a profecia que está descrita em 1 Coríntios 14. Deve haver ordem na operação da profecia tal como no falar em línguas com interpretação, nos encontros. Aqui está o que a palavra de Deus diz:

1 Coríntios 14:27-33
“Se alguém falar em língua, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e cada um por sua vez, e haja um que interprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus. Falem os profetas, dois ou três, e os outros julguem. Mas se a outro, que estiver sentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, cada um por sua vez; para que todos aprendam e todos sejam consolados; pois os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas; porque Deus não é Deus de confusão, mas sim de paz. Como em todas as igrejas dos santos”

Muitas vezes acontece nestes encontros algo selvagens que as pessoas se justificam dizendo que “o espírito incorporou em mim e me fez fazer isto e aquilo”. Por favor, encontrem isto no Novo Testamento!? O que eu encontro no Novo Testamento é ordem. Se alguém fala em línguas tem de haver interpretação. “Se não houver interpretação, deixe-se estar calado na igreja e fale consigo mesmo e com Deus”. Quantas devem falar em línguas, interpretar e profetizar? Todos em simultâneo? Não! Se alguém fala em línguas, deixem que sejam dois ou no máximo três, um a seguir ao outro e deixem um interpretar! Deixem um ou dois profetas falar e deixam os outros julgar. Mas se alguma coisa for revelado alguém presente, mandem o 1º calar”. “O espírito se apoderou de mim”, bem não encontro isto na minha Biblia. O que leio é: “os espíritos dos profetas estão sujeitos aos que profetizam. Porque Deus não é Autor da confusão mas da Paz”. Há confusão num encontro? Não responsabilize Deus nem as manifestações do Seu Espírito. Deus deu instruções claras na Sua Palavra no que diz respeito às manifestações do Espírito Santo e como devem ser feitas ordenadamente. Se alguns não seguem as instruções divinas, obviamente não é culpa de Deus nem culpa das manifestações do Seu Espírito. Ele não tem nada a haver com confusão! Não rejeites as dádivas de Deus por causa disso. Em vez disso, perssegue-as. “Deseja seriamente as dádivas espirituais” diz a Palavra de Deus. Por isso deseja-as seriamente e aplica-as com regras como está escrito nas instruções.

Para terminar, assisti também à um outro tipo de encontros, no meu país natal, a Grécia. Aí encontramo-nos nas casas e entre outras coisas fazíamos o seguinte: esperamos um tempo por Deus para ver o que Ele queria dizer e trazíamos mensagens de Deus através de profecias e falando em línguas com interpretação. O conteúdo das mensagens de Deus era, de facto, sempre fortalecedor, exortante e reconfortante. Era o coração do Pai Deus em manifestação. Para mim estas foram as manifestações de falar em línguas com interpretação e profecia mais próximas àqueles definidas em 1 Coríntios 12:13. Recentemente li um livro maravilhoso escrito pelo padre ortodoxo Eusebious Stefanou. Ele é uma figura solitária na denominação grega ortodoxa que fervorosamente espalha uma mensagem centrada em Cristo. O livro é chamado: “O movimento carismático a partir do ponto de vista ortodoxo”, escrito em grego onde o autor dá exemplos de mensagens realmente proféticas. Eu traduzo-as para que o leitor possa compreender a natureza das profecias abordadas nos 1 Coríntios 14:

“Vós sois meus filhos e Eu estou satisfeito convosco”

“O Pai conhece os seus filhos e toma conta de cada um deles”

“Meus filhos: entreguem - se a mim. Falem me dos vossos medos. Entreguem - se ao meu cuidado”

“Não estou zangado convosco”

“Eu quero ensinar te para te fazer como o meu Filho e para que saibas que sou teu Pai”

“Deixa me de ser revelado a ti e em ti. Deixa me amar te plenamente”

“Não tenhas medo das minhas palavras. Deixem os vossos corações receber de mim”

“Diz o Senhor: Entreguem-se a mim e Eu vos segurarei e Eu vos levarei e vós conhecereis o meu zelo”

Dito numa única frase: a profecia é pessoal, por Deus mesmo, em 1ª pessoa, para o fortalecimento, a exortação e o conforto da igreja para o corpo dos crentes.

Eu vivo há 7 anos na Alemanha e para além de um par de vezes, não encontrei a edificante exortação e o conforto que Deus disponibilizou aos seus crentes através de profecias e do dom de falar em línguas com interpretação. A profecia é uma dádiva maravilhosa que na maioria das vezes, e isto é apenas a minha experiência pessoal, não é praticada (controle, encontros rígidos) ou é abusada (encontros confusos e pessoas de comportamentos bizarros). É uma pena porque não havendo profecia ou sendo esta abusada, a voz de Deus que o próprio Deus designou para os encontros dos crentes para os exaltar e confortar pessoalmente, está bloqueada.

Vou terminar aqui com a seguinte exortação da palavra de Deus:

1 Coríntios 14:1
“Segui o amor; e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.”

Isto é o desejo de Deus expresso através da Sua Palavra. As pessoas podem dizer muitas coisas acerca disso. Mas o que importa é só uma: aquilo que a Palavra de Deus diz!

Anastasios Kioulachoglou

Português: Evelin Schimmelpfennig, Fernando Martins

 



Notas de Rodapé

1. Na leitura de 1 Coríntios 14 torna-se evidente que o tema neste capítulo de Paulo é o encontro dos crentes. Ver por expl. 1 Coríntios 14:23-24.

2. Se eles não fossem diferentes, em Efésios 4:11 não estaria escrito: “ …e Ele deu uns para profetas… e outros para professores”. Ele deu ambos, profetas e professores.