Verdades Bíblicas
Inscreva-se

Baixe gratuitamente este estudo na versão PDF version, otimizada para seu leitor ebook/ tablet/ desktop ou smartphone Edição em PDF

A parábola dos dez mil talentos

Nós a encontramos em Mateus 18:23-35. Onde lemos:

“Por isso o reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com seus servos e, tendo começado a tomá-las, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos; mas não tendo ele com que pagar, ordenou seu senhor que fossem vendidos, ele, sua mulher, seus filhos, e tudo o que tinha, e que se pagasse a dívida. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, tem paciência comigo, que tudo te pagarei. O senhor daquele servo, pois, movido de compaixão, soltou-o, e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos, que lhe devia cem diários; e, segurando-o, o sufocava, dizendo: Paga o que me deves. Então o seu companheiro, caindo-lhe aos pés, rogava-lhe, dizendo: Tem paciência comigo, que te pagarei. Ele, porém, não quis; antes foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Vendo, pois, os seus conservos o que acontecera, contristaram-se grandemente, e foram revelar tudo isso ao seu senhor. Então o seu senhor, chamando-o á sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão.”

Dez mil talentos é uma ENORME quantia. Ninguém nunca poderia ganhar tamanha quantia em dinheiro. E ainda assim esta enorme dívida era aquilo que o servo devia. E você sabe o que aconteceu? O seu Senhor o perdoou da dívida. Isto é graça! Graça significa favor imerecido. E isto é exatamente o que este senhor fez, que é uma figura de Deus: perante o clamor de seu servo, ele o perdoou e removeu sua enorme dívida. Este servo agora estava livre! Ele foi perdoado! Repare também que ele não fez nada para alcançar o perdão de sua dívida além de clamar a seu mestre. Até aqui eu entendo que nós concordaríamos que esta é uma figura perfeita de você e eu. O que aconteceu com este servo, a graça e a compaixão que foi mostrada a ele, é mesma graça e compaixão que Deus nos mostra. Como Efésios 2:1-9 diz, falando a nosso respeito:

Efésios 2:1-9
“Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais. Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus, para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.”

Nossa dívida era enorme. Estávamos mortos em pecados e transgressões. Éramos inimigos de Deus e filhos da desobediência. E o que aconteceu? Nós nos arrependemos e cremos. Nós nos curvamos como aquele servo e pedimos ao Rei que nos perdoasse. E Ele assim o fez! Isto é chamado graça. Pela graça nós fomos salvos. E assim também aquele servo: pela graça ele foi salvo da sua enorme dívida. Não havia obras, nada que eu, ou você, ou aquele servo pudéssemos fazer para pagar aquela dívida. Apenas a graça poderia fazer isto. Então a salvação é pela fé por meio da graça e não pode ser ganha como uma troca pelas nossas obras, pois obra alguma poderia restituir nossa enorme dívida. Penso que até aqui, está tudo certo, tudo claro. Mas o Senhor não para por aí.

Ele olha para o que servo fez e que apesar da grande dívida que lhe havia sido perdoada, ele havia negado o perdão a um servo amigo que devia uma dívida muito pequena a ele. O servo havia sido perdoado, mas não estava andando como alguém que fora perdoado. Agora, seria este Rei justo se Ele não fizesse um julgamento neste momento? Não seria. Pelo contrário, Ele seria completamente injusto. E ainda assim, isto é o que muitos esperam que Deus faça com eles: eles esperam que Deus os perdoe, mas não os julgue quando eles insistem em não andar como perdoados. Quando o Senhor julgou o servo e reinstaurou a enorme dívida que havia sido originalmente perdoada, Ele foi impiedoso? Não. Sua graça foi manifestada quando Ele perdoou originalmente o servo de sua enorme dívida. Mas vendo que este servo não estava andando de forma alguma como perdoado mas se aproveitou de sua liberdade pressionando seus co-servos e pedindo que fosse feita “justiça” a respeito da desprezível dívida que tinham com ele, então a justiça tinha que ser aplicada a ele também. Então não confunda Graça e Justiça. Deus possui ambas as qualidades: Ele é cheio de graça e cheio de justiça. Se nos arrependemos de coração alcançaremos graça. Se não perdoamos, basicamente requerendo julgamento contra aqueles que supostamente nos fizeram mal, então o julgamento será aplicado, começando por nós mesmos! Nosso Senhor não deixa espaço para controvérsias:

“Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste; não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, assim como eu tive compaixão de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim vos fará meu Pai celestial, se de coração não perdoardes, cada um a seu irmão.”

E novamente a oração do Senhor:

Mateus 6:12
“E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;”

 

Isto o Senhor nos explica mais a frente nos versículos 14-15.

“Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai Celestial vos perdoará a vós; Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.

Paulo resume isto de forma excelente em Romanos 11:22 quando ele diz:

“Considera pois a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; para contigo, a bondade de Deus, se permaneceres nessa bondade; do contrário também tu serás cortado.”

Existe a bondade de Deus e isto é o que teremos se continuarmos andando pelo estreito caminho da fé, ligados a Cristo, o único que pagou o preço por nós. Mas se não fizermos isto, e não continuarmos em Sua bondade, em outras palavras, se escolhermos, como aquele servo, caminharmos como se não fôssemos perdoados de nossos pecados e faltas, pelos quais estávamos mortos, então não poderemos esperar bondade e sim severidade da parte de Deus. Porque não continuamos a andar na bondade de Deus. Deus é tanto bondade quanto severidade, e é óbvio que ganharemos aquilo que escolhermos.

Próxima seção: "Ao que vencer"

 

Autor: Anastasios Kioulachoglou